PUBLICIDADE

27 de jun de 2009

Há 15 anos, a despedida forçada do ídolo

15 histórias: Como surgiu o Rei da Chuva

Viviane Senna, irmã do tricampeão, relembra a primeira corrida de Ayrton Senna em pista molhada, ainda na época do kart

Na Fórmula 1, Ayrton Senna sempre foi conhecido por ser um exímio piloto em condições adversas, com muita chuva. Mas o que pouca gente sabe é que nem sempre foi assim. Viviane Senna, sua irmã e presidente do Instituto com o nome do tricampeão, conta que a primeira corrida do brasileiro em pista molhada foi um verdadeiro fiasco.

- O Ayrton ainda corria de kart e estava ganhando uma corrida em Interlagos, quando começou a chover. Por causa da pista molhada, saiu da pista e ficou muito frustrado. Depois disso, cada vez que chovia em São Paulo, o Ayrton ia para qualquer canto da cidade com o kart e ficava treinando até escurecer. Quando chegava em casa, ele parecia um pinto molhado e fez isso milhões de vezes. Por isso, ele virou o Rei da Chuva – lembra Viviane.


Viviane lembra também que este foi a primeira manifestação de uma das características mais marcantes de Ayrton Senna: a perseverança.

- Certamente ele não teria esse manejo todo se não tivesse perdido e reagido. O Ayrton teve de enfrentar o problema e colocar todo seu potencial à prova. Ele foi perseverante e desenvolveu a habilidade que estava latente. Na Fórmula 1, quando chovia, todo mundo ficava animado. Aquela que seria a primeira vitória aconteceu nestas condições, em Mônaco, quando o Alain Prost levou após a corrida ser interrompida.

15 histórias: Perder, nem para o sobrinho

Competitivo do jeito que era, Ayrton Senna não gostava de perder para ninguém. Nem o sobrinho, Bruno, ganhava uma colher de chá

Dizem que quem é muito competitivo não gosta de perder nem disputa de par ou ímpar. Pois bem, era exatamente assim que Ayrton Senna era: extremamente competitivo. Todos que conviveram com o tricampeão relatam esta característica. Senna não gostava de perder nunca. Fosse nas corridas de Fórmula 1 pelo mundo a fora, fosse durante as férias com a família aqui no Brasil.

- Pessoalmente, me recordo das férias que passávamos em Angra dos Reis. Nos divertíamos muito nos finais de ano, principalmente brincando de jet ski. Como eu era pequeno e bem mais leve, levava vantagem nos pegas. Como ele não gostava de perder nem para o sobrinho, estava sempre mexendo no motor para andar mais rápido...

15 histórias: Ida à churrascaria com muita ‘emoção’ no trânsito carioca

Cacá Bueno conta que o tricampeão mundial fazia loucuras nas ruas

Galvão Bueno, narrador da Rede Globo, sempre foi um dos melhores amigos de Ayrton Senna durante toda sua carreira. Quando estava no Brasil, os dois sempre se visitavam, para alegria de Cacá e Popó Bueno, na época apenas crianças, que apenas sonhavam em seguir carreira no automobilismo.

Em uma dessas visitas à casa de Galvão Bueno, no Rio de Janeiro, Cacá, filho mais velho do narrador, foi almoçar com Senna em uma churrascaria. Mas a emoção maior não foi o encontro. Foi o caminho.

- Teve uma vez em que lembro do meu irmão ter ido almoçar com o Ayrton em uma churrascaria. Quando ele voltou, veio correndo falar comigo: “Cara! Você não tem idéia de como esse cara (o Ayrton) dirige! Ele fez várias maluquices no trânsito! Subia na calçada, costurava todo mundo” (risos) – lembra Popó.

- Tínhamos um carro bem velho na época. Não sei direito o modelo, mas ainda lembro que o Ayrton deve ter quebrado todas as regras de trânsito possíveis e imagináveis. Ele veio costurando na rua, subiu na calçada... E isso tudo não era devagar. Fiquei impressionado. Ficava olhando e pensando: “Nossa! Como esse cara dirige!” – diz o bicampeão da Stock Car.

Fontes: G1, globo.com

Um comentário: